Páginas

Encontre o (a) Santo (a), Beato (a), Venerável ou Servo (a) de Deus

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Venerável Servo de Deus Junius Tinarelli, Leigo. Exemplo de paciência, serenidade e amor em meio a grandes sofrimentos.




Junius Tinarelli, nascido em Terni, Itália, em 27 de maio de 1912, é filho de Alfredo e Maria Giorgini. Entrou  muito cedo no mundo do trabalho por causa das condições econômicas não brilhantes de sua família.
Junius, com 12 anos, começou a trabalhar em uma loja de impressão (gráfica), onde seu pai também trabalhava.
Aos 14 anos, deixou a casa de impressão e se especializa em fabricar fechaduras e chaves. Pouco mais tarde, graças ao engenheiro Mandrelli, foi contratado por empresas de engenharia mecânica em Terni. O compromisso e seriedade demonstrado no trabalho, permitiram que Junius desse um “santo quântico” do ponto de vista profissional. Ele é transferido para um setor altamente especializado,  onde trabalha no ajuste e manutenção das locomotivas estatais.
Tendo um bom emprego e um futuro promissor a ser construído, planeja começar uma família. Esses foram os fundamentos que animaram esse jovem trabalhador terniano. Até o momento, tudo transcorria “às mil maravilhas” em sua vida.
A única queixa de Junius era a falta de fé por parte do pai, homem “cabeça dura” e de difícil trato, como qual as conversas nem sempre foram fáceis. Mas, muitas outras nuvens densas estavam surgindo no horizonte...
Em 20 de março de 1937 passou a sentir fortes dores na coluna vertebral, o que o forçou a abandonar o trabalho. Esses foram os primórdios da terrível doença que viria a manter Junius 18 anos restrito ao leito: poliartrite e espondilite deformante.

Junius Tinarelli com sua irmã. Utiliza-se de um espelho
para que seu rosto possa aparecer na foto. 



A doença tem curso rápido e progressivo. Em 1940, também os braços perdem sua função, forçando Junius à imobilidade absoluta. A perda dos movimentos e do uso dos braços, desencadeia uma forte crise moral, sem gerar pouco desespero. Agora, dependia dos outros em todos os sentidos. Rompe o noivado; os planos de casamento caem por terra.




A proximidade de um padre, Monsenhor Giuseppe Lombardi, fundador do Oratório de São Gabriel, do qual Junior foi membro muito ativo e líder, conseguiu aliviar o enorme sofrimento do jovem trabalhador terniano, que recuperou a serenidade interior em um curto espaço de tempo.
Com a ajuda de Deus e o firme propósito de maximizar esta sua condição existencial tão dolorosa, Junius Tinarelli começou sua carreira como o “apóstolo dos doentes”, sendo ele mesmo, um deles.
Em 1948, organiza uma peregrinação a Loreto (famoso santuário mariano, onde está a casa da Sagrada Família de Nazaré) envolvendo 60 pacientes. Também em 1948 (17 a 25 de setembro), vai a Lourdes, onde entrará em contato com o monsenhor Luigi Novarese e o Centro dos Voluntários do Sofrimento (CVS), um vasto movimento apostólico que trabalha juntamente com os Silenciosos Operários da Cruz (SODC).


Junius Tinarelli recebe a benção apostólica do Papa Pio XII. 


Em 01 de novembro de 1951, Junius confirma definitivamente sua agremiação à SODC, emitindo os três votos evangélicos em particular. O entusiasmo e a energia emitidos por Junius na realização do apostolado com pessoas que sofrem, faz com que possa participar de todos os eventos organizados pelo CVS: 09 a 14 de setembro de 1952, participou do primeiro Curso de Exercícios Espirituais para os doentes no Santuário de Oropa. Em março de 1953, foi nomeado responsável pelo setor masculino dos Silenciosos Operários da Cruz .  
Mas, suas condições físicas começam a piorar, acabando por tolher-lhe as forças e começando a apresentar dificuldades em respirar. Tal condição forçou Junius a reduzir drasticamente seus compromissos apostólicos.
Em 14 de janeiro de 1956, sábado, aos 44 anos, 18 deles passados em imobilidade e em sofrimentos indescritíveis, em grande paz interior, Junius retornou à casa do Pai. O fim na terra de uma bela vida e de uma bela obra missionária e apostólica. Junius Tinarelli, um homem que não se fechou em si mesmo, em seus próprios sofrimentos, mas, soube doar-se aos demais sofredores. Mais do que isso, soube reconhecer em seus sofrimentos uma forma de imitar mais perfeitamente a Jesus Cristo Crucificado e participar mais intimamente de seus méritos.
Em 23 de novembro de 1969, seus restos mortais foram transladados do cemitério municipal para a catedral de Terni, onde atualmente aguardam a ressurreição da carne.


Em 25 de abril de 1985, começou o processo para sua beatificação/canonização. Em 25 de novembro de 2001, a cidade de Terni dedicou a Junius Tinarelli um monumento, perto do Duomo, onde se destaca um oratório dedicado a São Gabriel, lugar onde Junius começou a dar seus primeiros passos em direção à Pátria celeste. Suas virtudes já foram reconhecidas em grau heroico, o que levou a promulgação do decreto de venerabilidade do Servo de Deus, pelo Papa Bento XVI.