Páginas

Encontre o (a) Santo (a), Beato (a), Venerável ou Servo (a) de Deus

terça-feira, 20 de março de 2018

Serva de Deus Madre Maria de Lourdes de Santa Rosa, religiosa concepcionista que viveu no Brasil.




A cidade de Guaratinguetá, duas vezes abençoada - por Nossa Senhora Aparecida, no Rio Paraíba em 1717, e Frei Galvão, o primeiro Santo Brasileiro, nascido em 1739 - assiste agora o processo de Beatificação de Madre Maria de Lourdes de Santa Rosa fundadora do Mosteiro da Imaculada Conceição em Guaratinguetá, aberto no dia 12 de Março de 2009. No Mosteiro tem mais de 500 graças alcançadas vindo do Brasil e do exterior e esse número aumenta a cada dia que passa.
A religiosa nasceu em Polignano a Mare, Itália, em 1910, recebendo o nome de Maria Joanna Laselva. Veio para o Brasil aos 02 meses de idade, junto com seus pais e sua irmã Filomena. Foram morar no bairro do Pari, em São Paulo, onde nasceram seus irmãos Paulo José e Domingos. Passado alguns anos a menina entrou em um colégio Salesiano, onde fez seus primeiros estudos. Foi aí que despertou o desejo de seguir a vida religiosa. 
No dia 11 de Fevereiro de 1931, ingressava no Mosteiro da Luz em São Paulo a menina Maria Joanna Laselva, com então 21 anos, e um forte desejo de seguir o exemplo de Santa Beatriz, fundadora da ordem das Irmãs Concepcionistas. Maria Joanna Laselva recebeu o hábito no dia 15 de Agosto de 1931, mudando o seu nome para Irmã Maria de Lourdes de Santa Rosa.
Depois de um noviciado fervoroso fez sua profissão solene a 15 de Agosto de 1935, desde então, o seu estilo de vida e seu modo virtuoso fez com que muitas pessoas a procurassem pedindo orações, estando ela sempre disposta a atender todos sem medir esforços. Por seu modo exemplar foi escolhida pela então Madre Abadessa para fundar um novo Mosteiro em Guaratinguetá, cidade natal de Frei Galvão, o santo conselheiro espiritual das primeiras irmãs Concepcionistas. A irmã Maria de Lourdes viveu aproximadamente 13 anos em São Paulo até que os seus caminhos começaram a se assemelhar com aquele que com muita dificuldade arquitetou e construiu o Mosteiro da Luz.
Logo que foi escolhida para empreender a árdua missão de fundar um novo mosteiro, a irmã veio para Guaratinguetá em 1944, junto com mais 05 irmãs, com os poucos recursos de que provinham. Então Padre Antônio Morais Júnior, pároco da Catedral de Santo Antônio e futuro arcebispo, assumiu a responsabilidade da construção do novo Mosteiro e a planta ficou a cargo dos franciscanos do Convento de Nossa Senhora das Graças.
Família de Madre Maria de Lourdes (ao centro).
Esse mosteiro ficava do lado da Igreja de Santa Luzia, no bairro do Campinho. Quando as irmãs se mudaram para lá ele ainda estava inacabado, então, Madre Maria de Lourdes junto com as outras irmãs tiveram que assentar os batentes e portas, rebocar paredes, cimentar o chão e ainda, por não permitir que estranhos entrassem no Mosteiro, tiveram que ser carpinteiro, eletricista, encanador, pintor, etc. E mesmo com todas as dificuldades que passaram, a vida das concepcionistas passa grande parte no altar, intercedendo por todos os guaratinguetaenses, e mesmo quando elas estavam com a mão na “obra” o pensamento estava em Deus. No meio dos trabalhos podemos citar a confecção das pílulas de Frei Galvão. 
Mesmo com as doações do povo o Mosteiro era muito pobre e pequeno faltando o necessário para as irmãs. Madre Maria de Lourdes começou então a angariar meios para construir um novo mosteiro maior e retirado do centro da cidade, onde elas teriam mais espaço para as plantações, conseguindo do prefeito a doação de uma parte de um terreno e a outra parte de sua própria mãe. Esse terreno ficava situado aproximadamente a 04 km do centro urbano da cidade, sendo grande e propício para o silêncio. As obras foram sendo realizadas com doações e sacrifícios no decorrer de quase 10 anos. 
As orações e penitências valeram a pena e o novo Mosteiro foi inaugurado em 1962, no dia 08 de dezembro, dia da Imaculada Conceição, e foi consagrado também a São Miguel Arcanjo. A vida dessas religiosas sempre foi de muito sacrifício e uma constante penitência e, mesmo com todas as dificuldades, elas viviam felizes e em paz com a providência Divina.
 Depois de um longo período de paz, o Mosteiro entrou em uma crise de vocações e muita pobreza. Foi nessa ocasião que um Visitador Apostólico ordenou que fosse fechado e as irmãs transferidas. A então Abadessa, com a saúde já abalada por uma vida sofrida e um grave problema no pulmão, inconformada com a decisão, obteve a licença de defender o Mosteiro.
Procurou o apoio dos religiosos locais e não conseguiu, indo posteriormente atrás das autoridades religiosas do Brasil, mas não teve êxito por não serem da mesma diocese. Foi então que, com a saúde frágil, a Madre Maria de Lourdes de Santa Rosa partiu para Roma no dia 09 de Setembro de 1974, na companhia da Madre Maria Passiflora.
Essa extraordinária irmã, aparentemente frágil, impressionou a todos que a assistiram ao apresentar suas razões perante a Sagrada Congregação para os Religiosos. Por esse ato de heroísmo, o decreto foi suspenso e o Mosteiro pode seguir sua vida normal.  
Ainda em Roma, ela teve uma grave crise de saúde, tendo então que voltar a Guaratinguetá, sendo internada no Hospital Frei Galvão e mais tarde transferida para São Paulo. Veio a falecer no dia 19 de Novembro de 1974. No dia seguinte foi sepultada na capela do Mosteiro da Imaculada Conceição em Guaratinguetá, onde se encontra sua sepultura até hoje.
             Com essa pequena biografia podemos dizer que vamos ter em um futuro próximo outro reconhecimento de Santidade em terras de Guaratinguetá, o que vai aumentar e muito o turismo no Mosteiro da Imaculada Conceição. Isso vem enriquecer a nossa região, que posso dizer que é o maior centro de peregrinação religiosa do Brasil e um dos maiores do mundo.  



Túmulo da Serva de Deus.




Nenhum comentário:

Postar um comentário