Páginas

Encontre o (a) Santo (a), Beato (a), Venerável ou Servo (a) de Deus

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

SÃO FIACRO (ou Fiacre), Confessor.



São Fiacro (ou “Fiacre”) não é mencionado nos antigos calendários Irlandeses, mas é tido como certo que ele nasceu na Irlanda e viajou para a França onde viveu em quietude devotando-se a Deus. Outra tradição afirma que São Fiacro era filho de um rei da Escócia, do século VI. Instalou-se próximo a cidade de Meaux ao lado do Bispo São Faron.
São Fiacre fundou uma espécie de “monastério” ou “oratório” em uma solitária floresta que era patrimônio do bispado, chamado Breuil, na província de Brie. Sua reputação cresceu rapidamente. Não tendo como assegurar a subsistência dos membros de sua comunidade e dos visitantes, ele pediu ao seu Bispo autorização para aumentar seus domínios.
A tradição diz que o Bispo da cidade deu a ele toda a terra que conseguisse arar em um dia. Armado de um bastão (que na lenda virou pá de jardineiro) ele conseguiu desenhar um largo pedaço de terra.
Já na sua grande propriedade dedicou-se às alegrias da agricultura e da jardinagem. Construiu também um oratório em honra da Virgem Maria e fez um pequeno hospital para acolher viajantes. Muitos o procuravam para conselhos e os pobres por ajuda. A sua caridade fez com que ele atendesse a todos e vários eram milagrosamente curados pelas suas mãos.
Ele nunca permitiu que uma mulher entrasse em sua clausura e São Fiacro estendeu esta proibição até a sua capela e várias lendas dizem que as transgressões eram visivelmente punidas.
Por exemplo, diz a tradição que em 1620 um dama de Paris que se dizia acima de regras se dispôs a dirigir-se ao oratório e no caminho perdeu a memória e nunca mais a recobrou. Ana da Áustria, rainha da França, ficava contente em orar de fora da porta do oratório, entre os demais peregrinos e nunca tentou entrar.
Faleceu em 30 de agosto de 670 no vilarejo de La Brie, que hoje tem seu nome.
A fama dos milagres e curas de São Fiacro continuaram até após a sua morte e multidões visitam o seu túmulo por séculos. Monsenhor Seguier, bispo de Meaux em 1649, deu o seu testemunho e João de Chatilon, Conde de Blois, também testemunhou a sua cura. Ana da Áustria atribuiu ao santo a cura de Luiz XIII de uma grave doença em 1641 e, em agradecimento, foi a pé, em peregrinação, ao túmulo de São Fiacro, que já havia se tornado um santuário.


O vasto Patronato do Santo:
Ele é invocado para toda sorte de problemas físicos.
Diz a tradição que ele teria tido hemorróidas e ficou sendo o santo padroeiro das doenças do reto.
Ele é o padroeiro dos fabricantes de tijolos, telhas e manilhas de barro.
Ele é também o padroeiro dos jardineiros e na França dos motoristas de taxi. Os taxistas franceses são chamados de "fiacres" porque o primeiro estabelecimento a permitir "carruagens de aluguel", no meio de século VII, era situado à rua Saint Martin, próximo ao Hotel Saint Fiacre em Paris.
A festa de São Fiacro é mantida em primeiro de setembro em varias dioceses da França e da Irlanda.
Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado com uma pá de jardineiro
A sua festa é celebrada no dia 30 de agosto.





Oração atribuída a São Fiacro: 

"Concedei-nos ó Senhor o benefício da chuva entre a meia noite e três da manhã, seja ela uma água suave e tépida e possa penetrar profundamente na terra. Lembrai-vos de que o sol possa brilhar o dia inteiro, mas não em toda parte, de modo que as plantas e flores delicadas possam reparar-se do seu raio ardente. Assim te rogamos, ó Senhor."

Um comentário:

Naiane Fortunato disse...

Fui inspirada por São Fiacre à cultivar minhas plantações

Postar um comentário